Dia 21 de setembro: uma luta que nunca acaba

Preconceito, falta de informação, desinteresse, desconhecimento, descaso e abandono. Neste sábado, 21, quando celebramos o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, estabelecido pela Lei 11.133, de 14 de julho de 2005, verificamos que há pouco para comemorar e muitas reclamações a fazer.

Estamos, no mínimo, meio século atrasados. E perseguimos uma meta de acessibilidade que não reflete a realidade. Ao contrário, somente compensamos esse déficit, imaginando que a construção de rampas em prédios públicos, a instalação de chapas de aço com informações em Braile nos elevadores, a presença de tradutores de Libras em poucos eventos ou a existência de uma lei para contratação de funcionários são ações suficientes para incluir 45,6 milhões de pessoas com deficiência (segundo o Censo 2010, do IBGE) na lista de cidadãos brasileiros.

Nossa política de inclusão é hipócrita porque discrimina, segrega, isola milhares de pessoas, principalmente quem não tem dinheiro. Uma realidade que não atinge somente pessoas com deficiência, mas bate com mais força nessa população que muitos chamam de "especial".

Pessoa com deficiência, no Brasil, ainda é um "não cidadão". Precisa lutar com muito mais empenho, tem sempre de gritar para ser enxergada, é obrigada a implorar pela atenção, pelo respeito, pela dignidade e por outros tantos direitos garantidos pela Constituição, mas que são subjugados por – mais uma vez – preconceito, falta de informação, desinteresse, desconhecimento, descaso e abandono.

É uma luta que não tem fim. E todos já estão muito cansados.

Fonte: Blog Vencer Limites – Jornal O Estado de São Paulo

Mais sobre audiodescrição
Nós, pessoas com deficiência e representantes das entidades da sociedade civil que atuam na defesa
Carta Aberta em Defesa da Audiodescrição CONSIDERANDO que a Constituição de 1988 estabeleceu a obrigação
Nós, os participantes do foro regional América Acessível: Informação e Comunicação para Todos, realizado em


Mais sobre audiodescrição
Nós, pessoas com deficiência e representantes das entidades da sociedade civil que atuam na defesa
Carta Aberta em Defesa da Audiodescrição CONSIDERANDO que a Constituição de 1988 estabeleceu a obrigação
Nós, os participantes do foro regional América Acessível: Informação e Comunicação para Todos, realizado em