TV Brasil: programa Ver TV discutiu acessibilidade na televisão

O Ver TV traz, toda semana, múltiplos olhares sobre conteúdos apresentados na televisão e também em outras mídias. Convidados discutem a programação da TV de modo multidisciplinar, analisando seus aspectos jornalístico, econômico, social, psicológico, de entretenimento, entre outros. O programa oferece diferentes pontos de vista para um mesmo tema. A discussão é complementada por vídeos, depoimentos de especialistas e opiniões dos cidadãos.

Lalo Leal: apresentador do programa Ver TV

Apresentado pelo sociólogo e jornalista Lalo Leal, pesquisador na área de políticas da Comunicação e professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), o Ver TV acompanha as tendências, novas abordagens e discute as funções de uma TV de qualidade.

O Ver TV vai ao ar toda sexta, 20h, com reprises às quartas, 0h30.

Na sexta-feira (04/10/2013), o Ver TV discutiu um tema sobre o qual pouco se tem falado: "Acessibilidade na televisão brasileira: A luta de mais de 8 milhões de pessoas para ter acesso à TV".

O Brasil tem mais de oito milhões de pessoas cegas ou surdas ou com graves deficiências auditivas ou visuais. Para elas, não é fácil ter acesso à TV, pois os recursos audiovisuais ainda são limitados. O Ver TV analisa os problemas enfrentados por essa parcela da população e como as leis sobre acessibilidade na TV aberta tem sido praticadas pelas emissoras.

O programa recebeu o ativista Paulo Romeu, que participou do grupo que contribuiu para a definição de normas que obrigam emissoras a oferecer recursos de acessibilidade aos telespectadores; o filósofo Tuca Munhoz, ativista dos direitos de acessibilidade há mais de 30 anos e secretário adjunto da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida da cidade de São Paulo; e a tradutora e professora de audiodescrição Ana Júlia Perrotti Garcia, coordenadora do Curso de Inglês Online da TV Cultura, que utiliza recursos de acessibilidade.

Em 2006, o Ministério das Comunicações criou uma norma que obriga as emissoras a oferecerem quatro recursos de acessibilidade aos telespectadores: legenda oculta (closed caption); dublagem (tradução dos programas em língua estrangeira); libras (linguagem de sinais) e audiodescrição (narração verbal do conteúdo, para pessoas cegas ou com baixa visão).

Entretanto, em comparação com outros países, o Brasil está atrasado, avalia Paulo Romeu. Na Inglaterra, o país mais avançado na acessibilidade na TV, já se chegou a 100% da programação legendada em algumas emissoras. Nos Estados Unidos, a cultura da acessibilidade também avança. Segundo Paulo Romeu, "não se discute se é caro, barato, difícil: está na lei, tem que se fazer". O ativista afirma que acessibilidade é um direito e não assistência social.

Apresentação:

Editor-Chefe: Lalo Leal
Direção de Estúdio: Pola Galé
Pesquisa e Pauta: Lumi Kihara
Produção: Patrícia Lima e Vitor Chambon
Edição de Imagem: Renato Fanti
Coordenadoras de Produção: Aline Penna e Nane Martins
Gerente Executiva de Produção: Cristina Carvalho
Diretor de Produção: Rogério Brandão.

Fonte: TV Brasil

Mais sobre audiodescrição
Segundo a Enciclopédia de Filosofia de Christoph Lumer, a justiça é um conceito abstrato que
O Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) publicou hoje, 14, no Diário Oficial
De acordo com o disposto na Portaria nº 188 do Ministério das Comunicações, a partir


Mais sobre audiodescrição
Segundo a Enciclopédia de Filosofia de Christoph Lumer, a justiça é um conceito abstrato que
O Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) publicou hoje, 14, no Diário Oficial
De acordo com o disposto na Portaria nº 188 do Ministério das Comunicações, a partir