Observatório da Imprensa discutiu falta de acessibilidade na Copa 2014 e Olimpíadas 2016

O Observatório da Imprensa da última terça-feira debateu a prevista falta de acessibilidade durante a Copa de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 e a falta de espaço dado pela mídia ao assunto

O país está construindo grandes estádios e instalações para esses eventos esportivos, mas não investe em acessos para os portadores de necessidades especiais.

Já foram aprovadas leis para facilitar a mobilidade dos deficientes, mas poucas são cumpridas. Além disso, os estrangeiros, que convivem com outra realidade em seus países, poderão enfrentar aqui dificuldades de acessos, transportes e comunicação.

Para os surdos, a novidade na comunicação foi a TV INES, pertencente ao Instituto Nacional de Educação para Surdos, com programação linear de 8h às 20h na webtv. Com seis meses no ar, eles já atingiram mais de 100 mil acessos.

Já existe tecnologia de audiodescrição para TV digital e legislação específica, mas ainda com poucas horas na programação das TVs abertas.

Para debater o assunto, Alberto Dines contou com a participação da diretora geral do INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos), Solange Maria da Rocha; da apresentadora do Programa Especial da TV Brasil, Juliana Oliveira (cadeirante); e do repórter do Estadão Dados, Lucas de Abreu Maia (deficiente visual).

Assista ao programa:

Fonte: TV Brasil

Mais sobre audiodescrição
Desde o início dos anos 1980, com o avanço dos movimentos sociais, escolhemos o começo
Grande parte dos projetos culturais é realizada via leis de renúncia fiscal, ou seja, com
O mais recente artigo de Izabel Maior, sobre o silêncio incompreensível , foi como a


Mais sobre audiodescrição
Desde o início dos anos 1980, com o avanço dos movimentos sociais, escolhemos o começo
Grande parte dos projetos culturais é realizada via leis de renúncia fiscal, ou seja, com
O mais recente artigo de Izabel Maior, sobre o silêncio incompreensível , foi como a