Um museu feito para nós, por nós

Entre os dias 11 de março e 6 de maio, o Museu da Imagem e do Som (MIS) de Campinas, recebe pessoas com deficiência visual e auditiva para a participação em oficinas, que fazem parte do projeto "Um museu feito para nós, por nós". Laboratório de fotografia, música e dança são algumas das atividades presentes nos encontros. Além disso, os participantes farão visitas a locais escolhidos pela organização do projeto e terão contato com a história e o acervo do Palácio dos Azulejos.

Foram disponibilizadas 20 vagas e as oficinas acontecem às terças e quintas-feiras, das 14h às 16h. Os participantes são orientados por uma equipe formada pela artista plástica Cláudia Tosi, pela intérprete de Libras, Letícia Navero, pelo ator Joaquim Andrade e pelas especialistas culturais do MIS, Flávia Lodi e Juliana Siqueira.

Para Flávia, as oficinas são de extrema importância para o público com deficiência visual. "O projeto é uma forma de tornar o museu um espaço totalmente acessível e utilizado para conhecimento e momentos de lazer. As oficinas são incentivo para essas pessoas adquirirem o hábito de frequentar o MIS e participar de atividades durante todo o ano", afirma.

Irinéia Fortunato Euzébio é cega e participou do segundo dia da oficina. "Poder ter contato e adquirir conhecimento por meio de cada objeto e atividade proposta é muito importante. Entender como funciona o processo de fotografia, por exemplo, é um assunto que nunca imaginei aprender e tive essa oportunidade", conta.

"Um museu feito para nós, por nós"

O projeto é uma parceria do MIS com o Centro Cultural Louis Braille de Campinas, realizado com recursos do Programa Ação Cultural (ProAc), do governo de São Paulo, com apoio das Secretarias Municipais de Cultura e dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida.

São R$ 100 mil repassados pelo programa, no qual serão investidos até junho deste ano, para formação da equipe do museu para a cultura da inclusão, que já está em andamento, adaptação da exposição de longa duração com sinalização em Braille, pisos táteis, maquetes táteis e disponibilização de vídeo-guias em Libras e audioguias; além da ação educativa.

A Secretaria de Cultura e também a dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de Campinas apoiam este projeto. A audiodescritora Bell Machado e a intérprete da lingua de sinais Josie Oliveira da SMPD, deram um curso de três dias de capacitação para os funcionários do Museu, no que se refere a Noções básicas de inclusão e acessibilidade.

Fonte: Prefeitura de Campinas

Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –


Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –