Como a audiodescrição mexe com as pessoas

Gostaria de partilhar depoimentos que mostram o potencial transformador da audiodescrição. Mas, como isso acontece?

A audiodescrição possibilita exercer o direito de acesso à informação, garantido desde a Declaração Universal dos Direitos do Homem e enfatizado pela Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (artigo 21).

Nas palavras de uma moça de 28 anos, que perdeu a visão com 6 anos:

"Se eu enxergasse, talvez fosse ao cinema, talvez fosse ao shopping, talvez gostasse de passear".

Os depoimentos foram colhidos por alunos do primeiro curso brasileiro de Especialização em Audiodescrição no Brasil, da Universidade Federal de Juiz de Fora, com apoio da Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. O curso é de responsabilidade do NGIME – Núcleo de Pesquisa em inclusão, Movimento e Ensino a Distância, coordenado pela Profa. Eliana Lucia Ferreira e coordenação pedagógica da Profa. Lívia Motta, referência neste tema.

Tive a honra de ministrar a disciplina "Inclusão cultural das pessoas com deficiência e os diferentes públicos da Audiodescrição", juntamente com Cristiana Cerchiari. O objetivo era desafiar os alunos a estender a aplicação da audiodescrição para pessoas com outros tipos de deficiência ou outras características, como idosos.

Os trabalhos finais da disciplina propunham exibir um filme com audiodescrição como um exercício, sem pretensões acadêmicas e sem o rigor de uma pesquisa científica: para se aproximar de pessoas cujas características estudamos e perceber o potencial deste recurso na vida real.

Os relatórios trazem situações de todo o Brasil e reações de pessoas com os mais variados perfis. As exibições aconteceram em auditórios, salas de aula, ginásios de esporte, salas de visita.

Uma mulher mineira que ficou cega, afirmou: "Eu desisti de dar meu DVD, que fica lá encostado porque não tenho quem veja filme comigo. Agora não. Vou lutar muito pela audiodescrição. Eu conseguiria ver o filme sozinha [com audiodescrição] e ia ligar correndo para algum amigo que tenha visto para conversar, porque eu não resisto sobre trocar ideias de alguma coisa".

Uma menina cega, em Goiânia, resumiu: "O filme com audiodescrição ajuda as pessoas com deficiência visual a ficarem mais emocionadas".

"Eu me senti respeitado como ser humano", disse um senhor de 52 anos.

Outro assistiu o filme imóvel, ignorando a pipoca que circulava na plateia. Perguntado sobre suas impressões, falou 25 minutos sem parar – tinha se reencontrado com uma de suas grandes paixões – o Cinema – que perdeu ao perder a visão.

"Assistir a um filme com audiodescrição é tudo, sem audiodescrição não dá, né"?, resumiu uma garota com deficiência visual, no Rio de Janeiro.

Dois adultos comentaram, ao final da exibição do filme “O Palhaço”:

"Professora, eu pensava que filme brasileiro era só pornografia. Nunca imaginei que tinha um filme que fizesse a gente pensar tanto. Muito menos pensei que pudesse ver um filme sem ter que ficar fazendo pergunta". (Uma lágrima rolou em seu rosto). "Esse momento mudou muitas ideias minhas". (Silêncio) "Olha só, como um palhaço faz tanta gente rir e pode ser tão triste?"

Nesse momento o colega entrou na conversa: "Mas o legal é que ele teve força pra mudar a história dele e nos também precisamos ter força pra mudar a nossa".

Marta Gil – consultora na área da Inclusão de Pessoas com Deficiência, socióloga, Coordenadora Executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas, Fellow da Ashoka Empreendedores Sociais e colunista da Revista Reação.

Autora do livro “Caminhos da Inclusão – a trajetória da formação profissional de pessoas com deficiência no SENAI-SP” (Editora SENAI, 2012), organizou livros; tem artigos publicados; participa de eventos no Brasil e no exterior. Áreas de competência: Inclusão na Educação e no Trabalho.

Mais sobre audiodescrição
Estive em uma Oficina de Audiodescrição, em Porto Alegre, que além de recarregar as energias,
Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar
Um mundo sem imagem, mas não sem poesia! Estou sentado, sozinho, na sala escura. Uma


Mais sobre audiodescrição
Estive em uma Oficina de Audiodescrição, em Porto Alegre, que além de recarregar as energias,
Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar
Um mundo sem imagem, mas não sem poesia! Estou sentado, sozinho, na sala escura. Uma