Teste para audiodescrição no estádio Mané Garrincha

“O jogador está saindo de campo com uma expressão de frustração… Já a torcida do time adversário pula e comemora o gol!” Será assim, com riqueza de detalhes e emoções, que voluntários do projeto de narração audiodescritiva irão contar os lances dos jogos da Copa do Mundo da FIFA™ às pessoas com deficiência visual. O primeiro teste do serviço na capital federal foi feito nesta quinta-feira (1º/5), durante a partida entre Brasília x Sport Recife, no Estádio Mané Garrincha.

Audiodescritores fazendo a narração durante a partida no estádio Mané Garrincha

Essa foi a segunda vez que a audiodescrição foi testada no Brasil – a primeira foi no Rio de Janeiro. Além de Brasília, apenas a capital carioca, São Paulo e Belo Horizonte contarão com o diferencial nos jogos do Mundial. Na disputa de quinta-feira (1/05), válida pela Copa do Brasil, os quatro jovens que atuarão nas sete partidas marcadas para o Mané Garrincha colocaram em prática os conhecimentos e as habilidades adquiridas em mais de dois meses de treinamento intenso.

Eles narraram todo o jogo, ao vivo. Tudo com a supervisão do criador do projeto, inédito no Brasil, o jornalista Martin Zwischenberger. Para o austríaco, o maior legado da iniciativa é a inclusão social e a continuidade da narração audiodescritiva país afora, já que os equipamentos de transmissão ficarão com as cidades-sede. "Nossa expectativa é que não termine com a Copa do Mundo, mas seja apenas o começo", ressaltou. Sobre o Mané Garrincha, Zwischenberger foi só elogios: "Conheço muitos estádios e esse é um dos mais fantásticos".

Inovação

O projeto já existe em países da Europa e é pioneiro na América Latina. No Brasil, é realizado por meio de uma parceria entre a FIFA, a ONG Urece Esporte e Cultura para Cegos, do Rio de Janeiro, e o Centro de Acesso ao Futebol na Europa (CAFE). Os equipamentos usados foram adquiridos pela entidade máxima do futebol.

No Mundial, haverá dois locutores por jogo e a narração será transmitida por radiofrequência e captada em fones de ouvido individuais. Os torcedores com deficiência visual poderão se sentar em qualquer lugar do estádio. A narração audiodescritiva dará ênfase a detalhes como emoção dos torcedores, clima de jogo, descrição do gramado, entre outros aspectos mais subjetivos e característicos do sentido da visão.

O serviço permitirá, ainda, que os espectadores tenham uma experiência mais rica e próxima da realidade dos jogos de futebol. Para isso, são valorizados itens como linguagem corporal, expressão facial, entorno, lances, uniformes, cores e qualquer outro aspecto importante para transmitir a aparência e o ambiente do estádio.

Seleção

Os voluntários no serviço de audiodescrição foram selecionados em universidades. Para garantir a diversidade nas narrações, foram escolhidos homens e mulheres com perfis em áreas como o esporte e a deficiência visual. O olhar apurado para os aspectos visuais de uma partida de futebol também foi um dos requisitos. Passaram ainda por entrevistas antes de serem escolhidos. Em Brasília, para a transmissão no Mané Garrincha, toda a equipe é formada por jornalistas, que moram na cidade.

Um deles é Rodrigo Serpa, 25 anos. Para ele, a expectativa é que o projeto se torne permanente. "Se fala tanto em legado após a Copa do Mundo, especialmente em relação a questões estruturais, mas acho que esse também é um legado humano importante, de inclusão social. Espero que isso se espalhe para os campeonatos de futebol e também para outros esportes", enfatizou.

Animada com a possibilidade de proporcionar uma experiência diferenciada às pessoas com deficiência visual, Patrícia Osandón, 29 anos, espera surpreender o público-alvo do projeto. "É uma oportunidade proveitosa, tanto para a equipe de voluntários quanto para o público que vamos atender. Essa é uma atitude mínima para garantir os direitos dessas pessoas e mostrar um novo mundo a elas", destacou. "Nós seremos os olhos delas", concluiu.

Fonte: Portal Copa FIFA 2014

Mais sobre audiodescrição
Imagine ter toda a sensação de estar no estádio do Castelão, sentir a vibração da
A Paralimpíada Rio 2016 traz mais de 4 mil atletas de 179 comitês nacionais para
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos


Mais sobre audiodescrição
Imagine ter toda a sensação de estar no estádio do Castelão, sentir a vibração da
A Paralimpíada Rio 2016 traz mais de 4 mil atletas de 179 comitês nacionais para
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos