Viver Só: documentário retrata vida independente de pessoas com deficiência

Os recursos acessíveis de Audiodescrição, LIBRAS, legendas Closed Caption e Voice Over são a cereja do bolo do documentário "Viver Só", desenvolvido pela produtora franco-brasileira Uzumaki Filmes. A obra audiovisual acessível conta a história de Anouk, uma jovem de 22 anos que tem um sonho: viver sozinha. Mas as coisas não são tão simples como se imagina. Ela tem paralisia cerebral, é tetraplégica e precisa de ajuda para todos os atos da vida cotidiana.

Para tornar este documentário acessível a todos os públicos, a Uzumaki Filmes contou com a expertise da Iguale Comunicação de Acessibilidade. Como explica a diretora e roteirista Pamela Valente, este cuidado também foi tomado com o intuito de atender a uma das exigências de um edital da TV Cultura e da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, para o qual o documentário foi inscrito. Neste caso, a proposta era beneficiar filmes cujos enredos abordassem possibilidades de moradia para pessoas com deficiência.

Contemplando esta temática e atendendo as exigências do edital, "Viver Só" consagrou-se vencedor e em breve será exibido na TV Cultura. Posteriormente, a ideia é inscrevê-lo em festivais. Segundo a diretora e roteirista do documentário, cada vez mais editais de órgãos públicos apresentam esta exigência, o que, em sua opinião, é importante e benéfico para sociedade, bem como vai ao encontro de seu objetivo: fazer um filme para que todos vejam, ouçam e sintam. "O trabalho feito pela Iguale ficou ótimo! Até mesmo a janela de LIBRAS foi muito bem pensada e não ficou nada invasiva", completa a cineasta.

"Viver Só" retrata histórias de pessoas com deficiência na França e no Brasil que vivem sozinhas ou em institutos. Pessoas com histórias de vida diversas, mas que mostram o mesmo caminho: para além da dependência, o importante é o desejo de autonomia. Pamela, por exemplo, conhece Anouk desde garotinha e sempre acompanhou as dificuldades e conquistas da menina; e com sensibilidade e humor filmou Anouk e seus pais em um momento crucial: a jovem esperava uma resposta a seu pedido de formação em uma instituição que lhe ensinaria a autonomia necessária para viver sozinha em um apartamento. O entusiasmo de Anouk, as dúvidas dos pais, as desavenças normais entre pais e filha, tudo isso transparece no filme.

Pamela contou que filmou em três instituições na França. Duas "moradias assistidas", onde pessoas com deficiência moram de fato. Já a terceira é tipo "escola" e ensina as pessoas com deficiência a serem autônomas. Essa instituição dá também todo o auxílio para que a pessoa, depois de "formada", se instale em um apartamento, totalmente adaptado, na cidade onde escolher. "Eu fiz como um contraponto com a situação brasileira, mostrando duas pessoas por aqui. Uma delas é uma moça que mora em um abrigo mantido por uma associação que não tem contrato com o governo e vive de doações. O pessoal é ótimo, mas as condições de vida são bem precárias, porque falta dinheiro. O segundo brasileiro que filmei é um rapaz muito determinado que, depois de muitos percalços, mora sozinho há mais de um ano, em uma garagem transformada em casa, no extremo norte da cidade de São Paulo. Ali também a vida não é fácil, mas ele está feliz por ter autonomia e ter uma casa sua", revela.

Veja o trailer acessível:

Ficha técnica:

Roteiro e Direção: Pamela Valente
Direção de Fotografia: Otavio Pupo
Montagem: Erasmo Di Fonzo, Pamela Valente
Música original: Eric Breia
Assistente da Diretora: Andrea Kurachi
Som direto: Sarah Serginsky, Maria Clara Cervantes, Henrique Chiurciu
Direção de Produção: Patrick Bagot
Mixagem: InputSom
Recursos de Acessibilidade (Audiodescrição, LIBRAS, Closed Caption e Voice Over): Iguale Comunicação de Acessibilidade.

Uma coprodução Uzumaki Filmes e TV Cultura
Apoio: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Sobre a Iguale Comunicação de Acessibilidade

A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a primeira empresa do Brasil criada exclusivamente para pensar e desenvolver soluções assistivas completas em comunicação para pessoas com algum tipo de deficiência. Fundada em 2008, em São Paulo, pelo publicitário, professor universitário e empresário Mauricio Santana, a empresa é precursora do conceito de comunicação de acessibilidade do país. Entre os recursos que a empresa disponibiliza ao mercado estão a Audiodescrição, as legendas Closed Caption e Open Caption, LIBRAS, Voice Over, Acessibilidade Web e participação efetiva em muitos projetos com foco em acessibilidade.

Para saber mais sobre o trabalho feito pela Iguale Comunicação de Acessibilidade, contate: Liliana Liberato
Assessora de Imprensa
Iguale Comunicação de Acessibilidade
imprensa@iguale.com.br
(11) 9 7999-2802

Mais sobre audiodescrição
A HBO estreia no próximo dia 21 seu primeiro documentário original produzido no Brasil. Dorina -
Jogo Cego conta história sobre atletas e aspirantes com deficiência visual, promovendo um melhor entendimento
Desde março, a jornalista Melina Cardoso se prepara para colocar em prática o aprendizado sobre


Mais sobre audiodescrição
A HBO estreia no próximo dia 21 seu primeiro documentário original produzido no Brasil. Dorina -
Jogo Cego conta história sobre atletas e aspirantes com deficiência visual, promovendo um melhor entendimento
Desde março, a jornalista Melina Cardoso se prepara para colocar em prática o aprendizado sobre