Audiodescrição como área de atuação do tradutor

Trabalhando há mais de doze anos na formação de profissionais de Letras e Tradução, em cursos de graduação, extensão, atualização e especialização, fui chamada há três anos a trabalhar na recém-criada disciplina de Teoria e Prática de Audiodescrição para alunos do curso de Especialização em Tradução da Universidade Nove de Julho (UNINOVE), na cidade de São Paulo. Após um levantamento da literatura existente, da montagem do cronograma de aulas e da definição do trabalho prático final que os alunos deveriam fazer para serem “aprovados” na disciplina, iniciaram-se as aulas e as diversas turmas se sucederam, com grandes desafios e inúmeras descobertas, provando que o profissional com formação em Tradução está perfeitamente habilitado a realizar trabalhos de audiodescrição com qualidade, fidelidade e precisão.

O presente artigo, intitulado Audiodescrição como área de atuação do tradutor, de natureza prática e caráter descritivo retrospectivo, procura apresentar ao leitor alguns dos trabalhos realizados pelos alunos da referida disciplina, mostrando uma breve história sobre os vídeos originais e alguns aspectos relativos ao processo de audiodescrição. Como este artigo não buscou fazer análises aprofundadas sobre as escolhas lexicais e fraseológicas da audiodescrição de cada um dos vídeos, deixamos esta tarefa aos pesquisadores que queiram empreendê-la. Lembrando que, mais do que buscar a perfeição nesta primeira experiência de audiodescrição, os alunos que realizaram os vídeos procuraram aprender os processos, experimentar as metodologias e vencer as barreiras tecnológicas. A perfeição, assim como em qualquer área profissional, consagra-se pela prática, ao longo dos anos, e deve ser repensada a cada novo trabalho. Afinal, nas palavras de Franco (2008) “mesmo que frequentem um curso, os audiodescritores não se ‘criam’ tão rapidamente, é preciso muita prática”.

Uma vez que este artigo teve origem em minhas experiências didáticas, incluo aqui, na seção de E-referências (ao final do texto), além dos links de acesso aos vídeos audiodescritos, os links para os filmes originais. A intenção é facilitar a procura, para aqueles educadores, audiodescritores e leitores que pretendam analisar as diferenças entre um vídeo com e sem audiodescrição, ou que pretendam usar este material em sala de aula, ou ainda, que desejem fazer pesquisas comparativas entre o nível de assimilação e compreensão do conteúdo de ambos os vídeos.

Um último esclarecimento faz-se necessário neste texto introdutório: após a avaliação em sala, os alunos foram orientados a postar os vídeos em um site aberto de dados audiovisuais (You Tube) e os links citados nas referências foram coletados no momento da redação deste artigo, podendo sofrer alterações futuras, já que por ora não foi implantado um portal específico para hospedagem e manutenção dos vídeos.

Leia a íntegra do artigo AUDIODESCRIÇÃO COMO ÁREA DE ATUAÇÃO DO TRADUTOR: QUATRO VÍDEOS FEITOS POR JOVENS UNIVERSITÁRIOS, da profa. Ana Julia Perrotti Garcia.

Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial


Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial