Comparação Entre Dois Tipos de Roteiro de Audiodescrição – Um Estudo Descritivo e Exploratório

Este estudo, intitulado Comparação Entre Dois Tipos de Roteiros de Audiodescrição – Um Estudo Descritivo e Exploratório, foi oriundo do Edital do Programa de Cooperação Acadêmica (PROCAD), acordo firmado entre as Universidades Estadual do Ceará e Federal de Minas Gerais.

A Audiodescrição (AD) é um recurso sonoro que permite a recuperação dos elementos imagéticos por parte das Pessoas com Deficiência Visual (PcDV). No âmbito social, promove a acessibilidade, por permitir que os PcDVs acessem os equipamentos culturais sem a necessidade de acompanhamento de um vidente (pessoa que enxerga). Enquadra-se dentro dos estudos da Tradução Audiovisual e classifica-se na modalidade de Tradução Intersemiótica, por transmutar as imagens em palavras (dois meios semióticos distintos). No que diz respeito aos filmes, trata-se de uma locução adicional inserida entre os diálogos capaz de descrever os elementos narratológicos e cinematográficos que aparecem nas cenas.

O objetivo principal desse trabalho consistiu em testar dois roteiros de audiodescrição de filmes junto ao público com deficiência visual. O primeiro deles contemplou primordialmente as ações dos personagens. O segundo, por sua vez, enalteceu os elementos narratológicos de forma mais detalhada: personagens, ambientação e ações.

A metodologia utilizada foi descritivo-exploratória de natureza quali-quantitativa. A dimensão exploratória testou a recepção de dois grupos de PcDVs cearenses dos dois roteiros de audiodescrição inseridos em três curtas-metragens. Nesta etapa exploratória, testamos a pergunta de pesquisa de qual tipo de AD proporcionaria uma melhor recepção ao público: a audiodescrição detalhada ou a audiodescrição ações. Assim, buscamos confirmar a hipótese de que a audiodescrição detalhada de um filme proporcionaria uma recepção mais eficaz que a AD preconizada nas ações. A análise descritiva dos roteiros de audiodescrição foi realizada eletronicamente via Linguística de Corpus, por meio do software WordSmith Tools, seguindo a etiquetação narratológica dos roteiros de audiodescrição.

Buscamos responder a seguinte pergunta de pesquisa: de que forma os elementos narratológicos estariam presentes em roteiros de audiodescrição ações e audiodescrição detalhada? Ou seja, como cada um dos tipos de roteiros de audiodescrição apresentou a descrição das ações, dos personagens e da ambientação dentro da narrativa fílmica.

Acreditávamos, a princípio, que os roteiros de audiodescrição baseados nos detalhes apresentariam, além das descrições das ações, detalhes de seus personagens (atributos físicos e estados mentais e emocionais), das ambientações (localizações espaço-temporais e dos objetos cênicos).

Os resultados desta pesquisa mostraram que os dois tipos de roteiros de audiodescrição proporcionaram uma recepção eficaz aos espectadores PcDVs, apesar de o roteiro baseado nas ações de um dos curtas-metragens apresentar algumas lacunas relativas à descrição dos personagens e das ambientações espaço-temporais. Este fato foi confirmado através dos dados obtidos com a Linguística de Corpus, que identificaram a existência da descrição detalhada de elementos narratológicos nos dois roteiros de audiodescrição.

Leia a íntegra da dissertação de JÉSSICA BARROSO NÓBREGA

Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial


Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial