Conheça a OVNI Acessibilidade Universal

Informação e cultura para todo mundo, produzidas com a força da coletividade. A OVNI Acessibilidade Universal é uma empresa com sede em Porto Alegre/RS, mas atenta e conectada ao mundo inteiro. Produzimos audiodescrição, legendas de som e Libras para uma infinidade de produtos, eventos e serviços, além de prestar consultoria a projetos de acessibilidade.

Nosso foco está na produção de informação e de cultura acessíveis ao maior número possível de pessoas. Para isso, apostamos no conceito de economia colaborativa, que privilegia a formação de redes de cooperação para a construção de soluções para uma sociedade mais justa e solidária, que respeite a diversidade e defenda a igualdade de direitos.

Criada por Mimi Aragón e Kemi Oshiro, sócias na extinta Tagarellas Audiodescrição, a OVNI Acessibilidade Universal herda da antiga empresa a firme crença no incentivo ao protagonismo das pessoas com deficiência e na abolição da ideia de concorrência, apostando na atuação coletiva, potência capaz de promover o avanço da revolução da inclusão pela acessibilidade. Porque com todo mundo unido e forte, as conquistas vêm muito mais rápido.

As OVNI’s:

Mimi Aragón

A audiodescrição transformou a vida da publicitária Mimi Aragón em 2010, a partir de um curso com Lívia Motta, no Instituto Vivo, em Porto Alegre/RS. Desde então, cada dia dessa ex-redatora e produtora de áudio é movido pelo prazer de emprestar seu olhar minucioso de virginiana e uma certa facilidade com o verbo a quem precisa das imagens vertidas em palavras.
Ao lado de quatro amigos, manteve a Tagarellas Audiodescrição por quase três anos e lá idealizou projetos de cultura acessível; escreveu roteiros de audiodescrição; produziu acessibilidade para produtos audiovisuais e eventos; ministrou palestras, oficinas e cursos e foi até mais longe do que julgava poder, narrando a audiodescrição de espetáculos de teatro, um deles aos pés de um castelo medieval, em Portugal, durante a II IncludIt – Conferência Internacional para a Inclusão.
Entre suas produções, destacam-se roteiros de audiodescrição para os filmes A Despedida, Colegas, Tereza & Tereza e Perfeito; os espetáculos Teatro de Bolso Natal Cultural, A Menina do Cabelo Vermelho, Filó de Bolso, Não Me Toque Estou Cheia de Lágrimas – Sensações de Clarice Lispector, Dez Mil Seres e Inimigos de Classe; as exposições O Som da Tinta e Sombras & Lugares; os audiolivros RioAtivo – Geografia Social do Esporte e Sonhos do Dia e o ambiente virtual de ensino do Curso de Especialização na Cultura Digital da UFSC.
Mimi também partilhou sua paixão pela audiodescrição e multiplicou a cultura da acessibilidade em palestras, oficinas e cursos de extensão na Feevale, Uniritter, ESPM, Unisinos, UFRGS, Feira do Livro de Porto Alegre, Feira Regional do Livro de Novo Hamburgo e Secretaria da Educação de São Leopoldo, entre outras instituições.
Suspira por Pixies, Elis, Van Gogh, Théâtre du Soleil, Pedro Almodóvar, Vinicius de Moraes, instrumentos musicais, Amsterdam, Lisboa, Rio de Janeiro, inverno e ambrosia. Acredita em vida extraterrestre, tem um casal de gatos vira-latas e encontrou na audiodescrição mais do que um novo ofício: a felicidade.

Kemi Oshiro

Desde pequena ela quis ajudar a transformar o mundo num lugar melhor para todos. Em 2011, essa jornalista descobriu um jeito e tanto de revolucionar: a audiodescrição. Kemi foi “picada pelo bichinho da acessibilidade” em um curso na Fundação Dorina Nowill para Cegos, em São Paulo. Desde então, foi a sua vida que mudou um bocado: ela trocou a redação das emissoras de tevê por um lugar na luta pela acessibilidade.
Um amigo uma vez lhe disse: “Tenha a coragem de dar o primeiro passo, que muitos parceiros vão te ajudar a dar os próximos no caminho a ser percorrido”. E foi inspirada por essa frase que ela integrou a equipe da Tagarellas Audiodescrição durante quase três anos.
Nesse clima de amizade e parceria, assinou muitos trabalhos significativos, como a audiodescrição dos filmes A Despedida, Colegas e Tereza & Tereza e dos vídeos alusivos aos 1000 dias para as Paralimpíadas organizadas pelo Comitê Paralímpico Brasileiro. Fez a narração da audiodescrição do espetáculo infantil A Menina do Cabelo Vermelho e também ministrou oficinas em duas edições da Feira do Livro de Porto Alegre, na Casa Duplan, em São Leopoldo e em Novo Hamburgo, além de participar de bate-papos com turmas de graduandos nas universidades ESPM, Unisinos e Senac, entre outras.
Os desafios são constantes – e gratificantes também, como a produção de legendas open e closed caption. Dentre seus trabalhos nessa área destacam-se vídeos institucionais para o Banrisul, as exposições Pés-Columbinos e Projeto Rondon, o documentário Naquela Época e Hoje e o curta-metragem Seu Arlindo Vai à Loucura, exibido em uma sessão acessível na Sala Redenção da UFRGS, em Porto Alegre.
Kemi é uma cinéfila inveterada, atriz nas horas vagas, gosta de correr e de escutar Ramones. Seu vício é brigadeiro, mas, acima de tudo, viajar. Porque ela sabe que no mundo ainda existem muitos lugares a serem vistos e transformados. Por isso, ela nunca vai parar de transformar imagens em palavras.

Para contatos imediatos com as OVNI’s: OVNI Acessibilidade Universal.

Mais sobre audiodescrição
A audiodescrição é um recurso de acessibilidade, um instrumento poderoso de inclusão social, cultural e
A atividade de consultoria em audiodescrição é desempenhada por pessoas com deficiência visual (cegueira ou
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se


Mais sobre audiodescrição
A audiodescrição é um recurso de acessibilidade, um instrumento poderoso de inclusão social, cultural e
A atividade de consultoria em audiodescrição é desempenhada por pessoas com deficiência visual (cegueira ou
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se