Aline Correia: Audiodescrição traduz imagens em palavras, expressões em sentimentos

Imagine a seguinte cena em um filme: um nadador se atira na piscina de cabeça. Imaginou? Mas, e se você soubesse que a câmera estava posicionada dentro da água? Muda tudo não é? Pois dar ao cego a exata dimensão de uma cena no cinema, por exemplo, é apenas uma das funções da audiodescrição, que traduz imagens em palavras, expressões em sentimentos, afirma a audiodescritora paraense Aline Correia.

Aline Correia: audiodescrição traduz imagens em palavras, expressões em sentimentos

Foto de Aline Correia: Audiodescrição traduz imagens em palavras, expressões em sentimentos.

"A audiodescrição é um repasse de informações entre um código imagético (imagem) para um código verbal. As imagens se transformam em palavras para que pessoas cegas, com baixa visão, idosos e disléxicos possam compreender o contexto em que estão inseridas ou que está sendo apresentado através do cinema, teatro, balé, palestras, partidas esportivas e etc". A definição é da professora Aline Corrêa, que acaba de concluir, em Campinas (SP), o curso de Introdução à Audiodescrição e pretende trazer para Belém a experiência positiva de outras cidades.

"São Paulo e Rio de Janeiro estão bem avançadas quanto à audiodescrição, mas estados como Pernambuco, Ceará, Amazonas, Espírito Santo também desenvolvem importantes trabalhos. Na Universidade de Brasília, por exemplo, já há pesquisa de mestrado em audiodescrição em telenovelas, e na Universidade Federal de Juiz de Fora,em Minas Gerais, existe o curso de Especialização em Audiodescrição, entre outros excelentes trabalhos desenvolvidos pelo Brasil", explica. Em Belém, onde a técnica ainda engatinha – apenas duas profissionais são certificadas pelo Instituto Benjamim Constant (IBC), referência na formação de audiodescritores, com sede no Rio de Janeiro, afirma Aline Correia.

Além da própria Aline Correia, a pedagoga Joana Martins, do Centro de Referência em Inclusão Educacional Gabriel Lima Mendes (Crie), órgão da Secretaria Municipal de Educação para a inclusão de pessoas com deficiência na rede regular de ensino, possui a certificação.

Enquanto a qualificação não chega ao Pará, Aline e Joana criaram, esse ano, um grupo de estudo sobre audiodescrição. "Nos reunimos a cada 15 dias, na Seção Braille do Centur, para que possamos repassar a outras pessoas o que aprendemos fora e mantermos os estudos sobre o assunto", conta Aline Correia. Entre os projetos que a dupla pretende desenvolver até o final do ano está a visita guiada ao Centro Histórico de Belém e a elaboração de uma agenda de ações para pessoas com deficiência visual através da Comissão de Inclusão e Acessibilidade da Universidade do Estado do Pará (UEPA).

Fonte: ORM News

Mais sobre audiodescrição
Carla Diacov nasceu em São Bernardo do Campo, SP, Brasil, 1975. Formada em Teatro. Estreia
A audiodescrição está entre as melhores formas de inclusão da pessoa com deficiência visual. Além
Quando receberam o convite do festival Palco Giratório, do Sesc, e da audiodescritora Andreza Nóbrega


Mais sobre audiodescrição
Carla Diacov nasceu em São Bernardo do Campo, SP, Brasil, 1975. Formada em Teatro. Estreia
A audiodescrição está entre as melhores formas de inclusão da pessoa com deficiência visual. Além
Quando receberam o convite do festival Palco Giratório, do Sesc, e da audiodescritora Andreza Nóbrega