Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Comunicação Social Eletrônica

O Intervozes foi à Argentina para entender o que mudou por lá com a lei que abalou o monopólio de comunicação no país. A Lei de Serviços de Comunicação Audiovisual (Lei 26.522), conhecida popularmente como  Ley de Medios (Lei dos Meios), foi aprovada na Argentina em 2009. Ela reafirma que as radiofrequências são bens públicos e faz uma verdadeira reforma agrária do ar, combatendo os monopólios e oligopólios de comunicação existentes na Argentina desde a ditadura militar. A nova lei define a comunicação como um direito humano e não mais apenas como um serviço comercial.

Descrição de vídeos na Internet vira bom negócio para audiodescritores

As startups são empresas inovadoras, com tecnologia avançada e de baixo custo. Elas costumam chamar a atenção por serem comandadas, quase sempre, por jovens empreendedores. Diego de Oliveira, por exemplo, tem 25 anos de idade e identificou um negócio novo no agitado mercado da internet. Ele faz descrição de vídeos para pessoas com deficiência visual.

Como é a sua maçã?

É provável que a maioria das pessoas tenha certa dificuldade de entender o que um cego vê, principalmente porque a ideia é de que a cegueira reproduza uma escuridão, um vazio, a total ausência de luz. Cegueira é, para o senso comum, o antônimo de enxergar. Por isso ainda existem melindres sobre o uso da palavra "ver" em um diálogo com uma pessoa com deficiência visual. Se consultarmos um dicionário temos, dentre outras definições, que enxergar também significa descortinar, observar, perceber, notar, adivinhar e por aí vai. Conclui-se, então, que um cego também "vê", "enxerga" o mundo de uma maneira bem peculiar, já que o acesso às informações chega por outros canais.

A Combinação Verbal e Não-Verbal e a Progressão Temática Nos Textos de Quadrinhos

O gênero quadrinhos constitui uma modalidade própria de linguagem. É construído a partir da conjugação de dois signos gráficos: o visual e o lingüístico. Há situações em que o elemento visual assume todas as funções dentro do texto. É o caso das histórias mudas. No caso das histórias dialogadas, há uma complementaridade entre o código visual e o lingüístico.

Elementos Para a Microestrutura de um Glossário Semitrilingue dos Termos da Audiodescrição

O presente trabalho tem como objetivo maior a elaboração de uma proposta de microestrutura de um glossário semitrilíngue de termos da Audiodescrição (AD), cujo público-alvo seria pesquisadores, profissionais e interessados em AD no Brasil. No que diz respeito aos aspectos teóricos, nos baseamos em autores da Terminologia e da Terminografia bilíngue como Cabré (1999), Krieger & Finatto (2004), Welker (2004), Barbosa (1990), Barros (2004), Pontes (2009), Schmitz (2001). Em relação à metodologia do trabalho, nos fundamentamos, notadamente, em Berber Sardinha (2004), Almeida (2006), Aubert (1996) e Barbosa (1995).