Como é a sua maçã?

É provável que a maioria das pessoas tenha certa dificuldade de entender o que um cego vê, principalmente porque a ideia é de que a cegueira reproduza uma escuridão, um vazio, a total ausência de luz. Cegueira é, para o senso comum, o antônimo de enxergar. Por isso ainda existem melindres sobre o uso da palavra "ver" em um diálogo com uma pessoa com deficiência visual. Se consultarmos um dicionário temos, dentre outras definições, que enxergar também significa descortinar, observar, perceber, notar, adivinhar e por aí vai. Conclui-se, então, que um cego também "vê", "enxerga" o mundo de uma maneira bem peculiar, já que o acesso às informações chega por outros canais.

Como é sua maçã: por Luciane

Se num instante você fechar os olhos e tentar imaginar uma maçã, certamente a variedade de maçãs será farta, tanto quanto os leitores que buscaram em sua memória uma fruta que já conhecem tão bem. Algumas vermelhas de tão maduras, outras graúdas e suculentas, talvez possam ser verdes e azedas, consistentes ou já bem murchas e ainda cheirosas ou não. Mas e se você nunca tivesse visto ou saboreado uma maçã, qual seria o seu repertório de imagens e sensações?

É isso que acontece com uma pessoa cega: quanto maior seu repertório de conhecimento dos objetos, figuras, sabores, sons, cheiros, melhor vai ser sua interação com a realidade, uma realidade que não está desvinculada da cegueira, mas que precisa ser compreendida a partir dela. Essa variedade de "imagens" depende de uma observação criteriosa dos elementos que compreendem as características daquele determinado objeto, para perceber o que ele representa dentro de um contexto imagético. Ou seja, a pessoa cega só vai conseguir buscar a "imagem" mental da maçã se ela conheceu a maçã através dos demais elementos, como aroma, sabor, textura, consistência e, pra quem um dia a tenha enxergado, pela lembrança.

Diante do exposto, pessoas com deficiência visual devem ser incentivadas a criar seu repertório de imagens, seja pelo contato direto com os elementos concretos, seja pela descrição, associando as características a outros elementos sensoriais.  A cor branca pode ser associada a maciez do algodão, verde com cheiro de mato, amarelo com o calor do sol. Mas de nada adianta dizer que o azul é a cor do céu se a pessoa nunca enxergou o que é o céu; Ora, o céu também pode estar nublado!

Não tenha dúvida de que "os olhos são mesmo as janelas da alma", por isso permita descortinar essas janelas, emprestando as imagens para quem não as vê, mas pode senti-las, percebê-las, observá-las, notá-las e, porque não imaginá-las?

por Luciane Molina Barbosa

Fonte: O Lorenense

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série


Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série