Cinema erótico para cegos e surdos

A Mostra Nacional de Cinema Erótico "As Escuras", em sua primeira edição, está com inscrições abertas e prorrogadas até 27 de dezembro. Pensada e diregida ao público com deficiência visual e auditiva, a mostra contará com audiodescrição e legendagem descritiva em todas as obras.

Pesquisadores da UFGD desenvolvem tecnologia assistiva para audiodescrição

Três pesquisadores da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) participaram do Encontro Nacional de Tecnologia Assistiva, promovido pela Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECIS/MCTI), em Brasília. Os professores apresentaram resultados das pesquisas com Recursos Midiáticos de Acessibilidade. Ao todo, são três anos estudando e desenvolvendo tecnologias sobre legendas e quadro de Libras na televisão para acessibilidade e inclusão de pessoas com deficiência auditiva.

Filmes nacionais com audiodescrição

Pessoas com deficiência visual podem assistir a filmes nacionais com audiodescrição gratuitamente em Petrolina no Sertão de Pernambuco, a partir de um acervo disponibilizado pela Secretaria de Cidadania (Sedesc) do município. O recurso da audiodescrição em filmes possibilita ao espectador cego receber informações sobre o cenário, figurino e expressões faciais dos atores, por exemplo, que ajudam na contextualização dos diálogos.

Conversor de TV digital com acesso a audiodescrição

O início do desligamento da TV analógica, que estava programado para acontecer no domingo (29/11/2015) na cidade de Rio Verde (GO) não aconteceu. Mas as famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, que terão direito ao fornecimento gratuito de um conversor de TV digital, já estão recebendo seus equipamentos. O primeiro modelo escolhido pelo governo foi o DTB-332, fabricado pela D-Link.

Cultura limitada: arte ajuda na inclusão de público marginalizado pela diferença física

Quando receberam o convite do festival Palco Giratório, do Sesc, e da audiodescritora Andreza Nóbrega para inserir audiodescrição, as bailarinas Maria Agrelli e Renata Muniz, do espetáculo Leve, nunca tinham participado de uma produção com recursos de acessibilidade. "Foi muito potente para mim enquanto artista, mas a experiência me ampliou enquanto pessoa. Não tem nem palavras, dá um rebuliço mesmo", tenta definir Maria. A partir de então, todos os solos do grupo contam com o recurso.

Coleção Cinema Brasileiro

O cinema, essa máquina de produzir imagens e fomentar a imaginação, é um ambiente que a cada dia se torna mais acessível a pessoas com deficiência visual. Através das atuais normas que vigoram nas leis de incentivo cultural, a descrição das imagens dos filmes que não são mencionadas pelo áudio original (a audiodescrição) passou a ser um requisito para as produções de novas obras audiovisuais. Com essa normativa, pessoas que pouco ou nada enxergam passaram a experimentar sessões nos festivais de cinema. Esta tem sido uma iniciativa de vários festivais de cinema, inclusive o do Festival de Gramado em 2015, onde a pessoa com deficiência visual entrou no ambiente de projeção de imagens e esteve em contato com o tempo do filme e imersão com os sons que auxiliam a interpretar a narrativa. A partir dessa premissa, a Fundação Dorina Nowil lança a Coleção Cinema Brasileiro.