Descrição Visual: Acomodação de Desafios

Descrever cenas, em se tratando de películas, para a camada de áudio é em si uma espicaçada e tanto. O lençol extra é não cair na tentação de ser o próprio ator quando, para além da descrição visual – termo que, confesso, soa-me mais adequado -, faz-se necessário dublar o filme.

Descrição Visual: Cinema

PraCegoVer: sala de cinema vista de fundo.

Atuando nas pausas e efeitos sonoros ou trilhas, invariavelmente respeitando o texto original, o paradoxo da descrição visual é enriquecer a experiência de pessoas com deficiência visual justamente nas breves oportunidades para tal – sobretudo em se tratando da escola de cinema estadunidense. Aqui jaz a incongruência do audiodescritor: abrimos o buquê de uma garrafa de vinho cujo sumo jamais é sorvido por inteiro, fazendo sala para a imaginação do ouvinte. A impossibilidade natural de uma descrição completa, por maior esforço, confere concomitante accessibilidade, imprecisão e ideação. Todavia, no ato de abertura do buquê, perfumamos o mundo de pessoas com deficiência visual e permitimos que elas discutam em pé de igualdade com pessoas cuja deficiência é oculta – nós.

Descrição Visual: O dublador não chegou

Por questões de logística ou orçamento, nem sempre é possível dublar um filme, sendo muita vez papel do audiodescritor atuar nos diálogos. É função, neste caso, imprimir as emoções das falas sem, no entanto, transformar-se no ator – trata-se de uma tênue linha que impede o audiodescritor de ser o ator, porém autorizando-o a interpretar. Tendo em mente que o ouvinte recebe dois estímulos (o som ambiente e o fone de ouvido), urge o triângulo amoroso entre roteiro, vocalização e áudio natural da obra.

Descrição Visual: A maravilha da experiência

O universo de pessoas com deficiência visual é imenso, abarcando aquelas que carecem de memória visual por já terem nascido cegas ou ficado cegas na primeira infância, que possuem memória visual, que têm baixa visão, problemas de visão, e em cada qual há níveis e necessidades próprias. Em um cenário ideal, todas elas chegariam 30 minutos antes da exibição e teriam explicações sobre roteiro, figurino, ambientação, trocas de cena – isso deixaria o já citado buquê ainda mais aromático.

Quando é chegada a hora da exibição, após detido estudo do roteiro e ensaio, percebe-se um avançado enriquecimento na experiência de visualização da película, já que:

  • A plateia com baixa visão, que geralmente ocupa as primeiras fileiras, não precisa ler a legenda e pode focalizar na tela;
  • A plateia sem visão reage às descrições com sorrisos, mãos à boca, susto;
  • A plateia com visão que opta pela audiodescrição dá-se conta de elementos que sua visão pode ter deixado escapar.

Descrição Visual: O fim é o começo

Por conta da mais aproximada igualdade, pessoas sem e com visão podem, conforme já dito, debater a obra. Aquele silêncio pós fim é sucedido por murmurinhos, comentários, sorrisos, perguntas que nada fazem além de engrandecer a experiência dos, agora de facto, telespectadores.

Carlos Alberto Abelheira é um dos Coordenadores de Audiodescrição do Catálogo Premium de Intérpretes e Tradutores

Fonte: Mundo Cat

Mais sobre audiodescrição
A plenária sobre Acessibilidade: closed caption, libras, audiodescrição e atualização das normas, moderada por Caio
A Constituição Brasileira de 1988, nos artigos referentes aos direitos das pessoas com deficiência, proíbe
Nem todos os cidadãos conseguem ter acesso ao conteúdo que passa na televisão da mesma


Mais sobre audiodescrição
A plenária sobre Acessibilidade: closed caption, libras, audiodescrição e atualização das normas, moderada por Caio
A Constituição Brasileira de 1988, nos artigos referentes aos direitos das pessoas com deficiência, proíbe
Nem todos os cidadãos conseguem ter acesso ao conteúdo que passa na televisão da mesma