Audiodescrição gravada em eventos ao vivo: pode?

A audiodescrição é um recurso de acessibilidade, um instrumento poderoso de inclusão social, cultural e de sensibilização do público com deficiência visual, seja em espetáculos de teatro, dança, musicais, óperas, no cinema, em exposições e até mesmo em eventos sociais como casamentos, dentre outras celebrações. Dependendo do tipo de produto audiovisual, pode-se fazer audiodescrição gravada ou ao vivo.

Considerando-se as diferentes linguagens, os diversos contextos e condições de produção da audiodescrição, o profissionalismo e a qualidade do serviço oferecido devem ser, sempre, assegurados mediante determinados fatores e aspectos específicos preponderantes Em cada uma das modalidades da audiodescrição.

Em todos os casos, a qualidade da audiodescrição pressupõe a elaboração de um roteiro, a definição da locução e outros aspectos operacionais que requerem a indispensável validação de um consultor com deficiência visual devidamente qualificado para este fim.

Nesta perspectiva, a audiodescrição gravada é apropriada quando se trata de filmes, documentários, obras de arte, exposições e outros produtos audiovisuais em que o conteúdo da obra se mantém inalterado. Por outro lado, a audiodescrição gravada para espetáculos de teatro, dança, ópera, musicais, shows e outros eventos ao vivo deve ser refutada por se tratar de uma prática inadequada e injustificável.

Para compor um espetáculo o iluminador cria efeitos e jogos de luz e o compositor os arranjos e nuances da trilha sonora, assim como o coreógrafo desenha e planifica os movimentos do corpo no espaço. Em todas as sessões de um espetáculo de teatro, música ou dança, há um técnico pronto para operar, a partir de um roteiro, os mecanismos que acionam a projeção da luz ou a mudança de foco, em dado momento, para cada encenação. Com a trilha musical e os efeitos sonoros ocorre o mesmo. Sempre vai haver um técnico de som no teatro operando estes equipamentos.

Com a audiodescrição não pode ser diferente.

Em um evento ao vivo, a presença da equipe de produção da audiodescrição e a interação com o público usuário do serviço são indispensáveis. Nestes eventos, o roteiro da audiodescrição deve ser elaborado mediante planejamento e estudo prévio da obra, das condições de realização e do ambiente no qual se dará a apresentação.

Com efeito, a locução da audiodescrição deve ser coerente e condizente com a vivacidade e o dinamismo do trabalho e, portanto, deve ser realizada ao vivo.

A atuação presencial dos audiodescritores responsáveis pela narração da audiodescrição é fundamental para assegurar a eficiência do serviço, contornar os imprevistos, as falhas técnicas, possíveis ajustes no equipamento e evitar eventuais ruídos de comunicação. Afinal, os artistas em cena são seres humanos e não robôs pretensamente infalíveis. Por mais que um espetáculo seja incansavelmente ensaiado, uma apresentação jamais será igual a outra. Em um evento ao vivo, os artistas são passíveis de cometer lapsos e estão sujeitos aos improvisos, às alterações sutis de ritmo e ainda, aos incidentes que escapam totalmente do controle.

A audiodescrição precisa dar conta de tudo que acontece em cena e, por vezes, para além da cena, como a ocorrência, na plateia, de ações e reações do público, em consequência da obra encenada ou de outros fenômenos de interferência.

Pelo exposto, consideramos inadmissível a prática da audiodescrição gravada em eventos ao vivo, o que representa uma deturpação deste recurso de acessibilidade e uma negligência em relação à formação de plateia.

A oferta de audiodescrição gravada, concebida como alternativa de barateamento de custos é uma justificativa inaceitável que promove a lógica falaciosa da quantidade em detrimento da qualidade da audiodescrição. Em suma, a AD gravada não assegura a participação do público com deficiência visual em igualdade de condições com os demais espectadores.

Grupo de Consultores em Audiodescrição
Participantes: 29 consultores de todas as regiões do Brasil
Coordenação: Elizabet Dias de Sá e Felipe Monteiro

Mais sobre audiodescrição
A atividade de consultoria em audiodescrição é desempenhada por pessoas com deficiência visual (cegueira ou
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Associação Gaúcha de Audiodescritores (AGADE) tem buscado, cada vez mais, afirmar seu papel político


Mais sobre audiodescrição
A atividade de consultoria em audiodescrição é desempenhada por pessoas com deficiência visual (cegueira ou
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Associação Gaúcha de Audiodescritores (AGADE) tem buscado, cada vez mais, afirmar seu papel político