Postagens do assunto: Audiodescritores

Audiodescritores em Ação

A Associação Gaúcha de Audiodescritores (AGADE) tem buscado, cada vez mais, afirmar seu papel político em defesa da Audiodescrição como uma política pública. Com base nesse princípio, recentemente nos mobilizamos e promovemos dois importantes eventos que demonstram a disposição dos Audiodescritores em Ação.

Nós Todos Filmes: uma empresa especializada em acessibilidade audiovisual

Foi por acaso que a então estudante de jornalismo Mauana Simas, 27, começou a estagiar no Programa Especial, exibido pela TV Brasil. Ao seu lado na equipe, havia uma repórter com síndrome de Down, uma apresentadora cadeirante, uma intérprete surda. A experiência mudou a forma como Mauana via a deficiência: "Este público geralmente é visto como menor, como se precisassem de ajuda, de cuidado. Mas, ali, eles eram meus colegas de trabalho. Se não fizessem bem a parte deles, iriam atrapalhar a minha e vice-versa. Era uma posição profissional muito de igual para igual", conta. Daí surgiu a ideia de criar a Nós Todos.

Audiodescritores divulgam carta aberta em defesa da audiodescrição

Carta Aberta em Defesa da Audiodescrição

CONSIDERANDO que a Constituição de 1988 estabeleceu a obrigação do Estado de criar programas específicos para as pessoas com deficiência física, sensorial ou intelectual e facilitar seu acesso aos bens e serviços de uso coletivos;

Audiodescrição no programa Educar para Ser Grande

A audiodescrição está entre as melhores formas de inclusão da pessoa com deficiência visual. Além disso, oferece novo campo de trabalho para educadores, jornalistas e vários outros profissionais. Confira os detalhes sobre o tema com as audiodescritoras Marisa Pretti (atriz e jornalista) e Márcia Oshiro, sócias da empresa As Meninas dos Olhos . Reportagem do programa Educar Para Ser Grande, gravado na Biblioteca Braille do Centro Cultural São Paulo. Mais detalhes? Email para: educarparasergrande@gmail.com.

Audiodescritor: carreira em ascensão, mesmo em época de crise

Os ponteiros do relógio têm ritmo próprio, dependendo de quem consulte as horas. Para aqueles que foram diretamente afetados pela crise econômica e o desemprego — que atingiu 6,9% em junho, a maior taxa dos últimos cinco anos segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) —, as horas andaram para trás. No entanto, para quem resolveu apostar em determinados mercados novos, em que há mais demanda do que oferta de profissionais, a marcha dos ponteiros continua à frente.

Mercado cultural acessível está em franca expansão

Aos poucos, a audiodescrição começa a ganhar espaço. Apesar de um número ainda baixo de produtos com o recurso, Porto Alegre é um dos polos nacionais que mais aposta na área, junto com São Paulo e Recife. O cinema tornou-se a área que mais investe no recurso. No ano passado, a Agência Nacional de Cinema (Ancine) determinou que todos os filmes e demais produções audiovisuais aprovadas desde 18 de dezembro de 2014 e financiados com recursos públicos incluam legenda descritiva, audiodescrição e Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Novas e antigas profissões

Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar a novas formas de trabalho, muitas delas inimagináveis há poucos anos. O sapateiro, o alfaiate e o ascensorista são profissionais cada vez mais escassos. Enquanto isso, novos campos de atuação ganham espaço no mercado como o audiodescritor, por exemplo.

Revisão cognitiva e consultoria em audiodescrição

Viabilizar o desenvolvimento e a produção de recursos inclusivos, na Comunicação de Acessibilidade, para permitir o acesso ao conteúdo exibido pelos meios de comunicação e de cultura, nas suas mais diferentes manifestações, às pessoas com deficiência visual, auditiva e intelectual, tem sido um trabalho cada vez mais recorrente no mercado brasileiro. Agências, produtoras e empresas dos mais diferentes segmentos têm buscado esses recursos para ampliar a efetividade das suas marcas, produtos e serviços a um público ávido por informações assertivas. Entretanto, os recursos inclusivos não só exigem especialização e conhecimento por parte dos seus desenvolvedores, como também precisam ser avaliados quanto à eficiência e qualidade. Porque tão importante quanto viabilizá-los, é apresentar um conteúdo que comunique com riqueza de informações e detalhes, permitindo a desejada autonomia. Neste sentido, entendemos como essencial a revisão cognitiva para garantir a acessibilidade com qualidade.

Conheça a OVNI Acessibilidade Universal

Informação e cultura para todo mundo, produzidas com a força da coletividade. A OVNI Acessibilidade Universal é uma empresa com sede em Porto Alegre/RS, mas atenta e conectada ao mundo inteiro. Produzimos audiodescrição, legendas de som e Libras para uma infinidade de produtos, eventos e serviços, além de prestar consultoria a projetos de acessibilidade.

O Globo: Espaços Deficientes

Grande parte dos projetos culturais é realizada via leis de renúncia fiscal, ou seja, com impostos de todos, incluindo as pessoas com deficiência visual e auditiva. Pode uma menina cega assistir a uma peça de teatro e ao fim sair comentando sobre detalhes do cenário e figurino? Pode um rapaz surdo ir a um musical e se emocionar com a letra das músicas que compõem a trilha? Pode uma pessoa cega ser júri de um festival de cinema? Pode um grupo de amigos cegos ir ao teatro e ler o programa sem ajuda?