Ação Civil Pública: ACP 2009.34.00.004764.6

Nota do Blog: Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público de Brasília contra o Ministério das Comunicações, pela postergação da implementação da audiodescrição na televisão brasileira.

Ação Civil Pública

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) FEDERAL DA VARA FEDERAL DE BRASÍLIA/DF

O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República que esta subscreve, no exercício de suas atribuições constitucionais e legais, especialmente com respaldo no que dispõem os incisos II e III do art. 129 da Constituição da República, vem, perante, Vossa Excelência, propor a presente

DIREITO À COMUNICAÇÃO E PROMOÇÃO DA DIVERSIDADE NA MÍDIA

Nota do Blog: trechos extraídos de documento sobre direito à comunicação elaborado pelo Instituto Patrícia Galvão. Reproduzimos aqui apenas os trechos mais diretamente relacionados às pessoas com deficiência, mas recomendamos sua leitura na íntegra.

Uma Compilação de Diretrizes e Recomendações de Conferências, Convenções, Planos Nacionais e Internacionais.

Técnica Permite Acesso De Cegos Ao Cinema

Cerca de 14,5% da população brasileira tem algum tipo de deficiência, segundo o censo 2000 do IBGE. A garantia de direitos a toda pessoa, o que inclui essa parcela da população, é algo muito recente, iniciada de forma mais consistente apenas na segunda metade do século 20. Os direitos primordiais foram temas das primeiras lutas, como acesso aos prédios públicos e à educação.

Sim, os cegos vão ao cinema

Todos nós, que nos julgamos dotados da visão do mundo, já especulamos sobre uma questão que fascina e intriga: como um cego de nascença, que não guarda imagens visuais, aprecia as belezas e se indigna com as feiúras ao redor, constituindo o seu conhecimento?; como um cego sonha, se o sonho é feito de imagens?. "O imaginário social em relação ao cego afeta a todos, inclusive o pesquisador", afirma Maria Eduarda Silva Leme, graduada em psicologia pela USP.

Ensaio Sobre A Cegueira: comentado por Deficientes visuais

Cena do filme Ensaio Sobre A Cegueira : pessoas pisam em fezes no chão; uma mulher de corpo volumoso está nua, de costas, numa cama; a esposa do médico enfia a faca no barman. O que é mais incômodo? Assistir imagens fortes como estas, escutar sua descrição ou, simplesmente, lê-las como se encontram acima?

Barbeiro de Sevilha com audiodescrição no Theatro São Pedro

"O cenário está com a cortina fechada. Um homem, vestido de branco, segura o chapéu. Ele canta dolorosamente uma história de amor e traição". A voz de Marli Nunes, audiodescritora do Instituto Vivo, revela a primeira cena de I Pagliacci (ópera O Barbeiro de Sevilha, do compositor napolitano Ruggero Leoncavallo) aos 15 deficientes visuais na plateia do Theatro São Pedro. A iniciativa é resultado de parceria entre a Associação Paulista dos Amigos da Arte (Apaa) e a operadora de telefonia móvel Vivo, que oferece 15 pares de ingressos gratuitos para esse público nos dias de apresentação.