Revista Playboy narrada para cegos

A ONG americana Taping for The Blind (algo como "ditando para cegos") dedica-se a uma atividade de utilidade pública: narrar revistas, jornais e demais publicações para deficientes visuais através de programas de rádio ou na internet, com suporte de cerca de 200 voluntários.

O inusitado é que a revista Playboy entrou no rol das publicações "contadas" aos deficientes.

"Ela é latina, morena, com olhos castanhos escuros. Tem cabelos longos, cacheados e, na foto, está sentada no oceano. As pernas estão meio cruzadas", conta a radialista Suzi Hanks sobre o pôster de uma edição recente da revista.

O grupo de voluntários grava e transmite as publicações 24 horas por dia. O serviço existe desde 1967.

Primeira mulher a transmitir a Playboy, Hanks lê e descreve artigos e fotos com riqueza de detalhes – marcas de bíquini, tatuagens, maquiagem e outros detalhes da produção não lhe escapam aos olhos.

Todavia, de maneira sóbria e sem insinuações. "Eu não preciso tentar ler de forma sexy. Eu apenas leio, sou mulher, e isso é sexy o bastante", diz ela.

Fonte: Revista VEJA



Mais sobre audiodescrição