Exposição, palestra e curso na UFRN abordam o tema audiodescrição

A Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM), em parceria com a Comissão Permanente de Apoio a Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais (CAENE), Departamento de Ciência da Informação (DECIN), Escola de Música (EMUFRN) e Secretaria de Ensino a Distância (SEDIS) realizarão no período de 22 de novembro a 06 de dezembro, Evento que tem como objetivo principal ampliar as discussões em torno do tema "Biblioteca Acessível" para aprofundar e socializar conhecimentos que venham contribuir para formação e mudanças atitudinais das equipes atuantes nas bibliotecas da UFRN.

Especialização em audiodescrição na UFJF: inscrições abertas até 10 de dezembro

Com o objetivo de atender à política nacional sobre acessibilidade da pessoa com deficiência estão abertas as inscrições para o Curso de Especialização em Audiodescrição, organizado pela Universidade Federal de Juiz de Fora em parceria com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, órgão vinculado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Assim Vivemos: Tapeçaria e escultura nas mãos de quem não vê

Perfil: Virgínia Vendramini, artista plástica que nasceu com menos de 10% da visão e ainda na infância ficou cega. Trabalha com escultura e tapeçaria. A exuberância das cores dos seus tapetes impressiona aqueles que podem enxergar. Conheça mais sobre Virgínia e sua arte.

Olhares Negros: exposição com recursos de acessibilidade

A exposição Olhares Negros, com base no apoio ao registro e à memória, retrata mulheres e homens negros, evidenciando o protagonismo dos indivíduos fotografados, suas trajetórias de vida, o trabalho e, principalmente, as múltiplas formas de resistência negra na cidade de Santa Maria, por meio de fotografias acompanhadas de minibiografias e audiodescrições. O lançamento da Exposição acontece nesta sexta (22), às 20h, no Museu Treze de Maio, localizado na Rua Silva Jardim, 1407, Bairro Rosário.

Viage para a idade média, com audiodescrição e Libras

A Estação Cultura, em Campinas, será palco de uma viagem no tempo, mais precisamente a Idade Média. Entre os dias 14 e 24 de novembro, das 10h às 22h, será realizada a 1ª Feira da Idade Média Europeia, com apoio da Prefeitura de Campinas, por meio das Secretarias Municipais de Cultura e de Desenvolvimento Econômico, Social e de Turismo, promovida pela Queiroz y Almazán. É o primeiro evento deste porte no Brasil, na qual os visitantes vão, de fato, viver os idos da Idade Média, nos aspectos de cultura, gastronomia, educação, arte, diversão e história.

Tirinhas de jornais como recurso pedagógico: que tal descrevê-las?

As tirinhas de jornais são um gênero textual muito aceito entre as crianças pois elas são como as histórias em quadrinhos, ou seja, utilizam-se de quadros para narrar um fato. Quadros estes que contém desenhos e, na maioria das vezes, as falas estão nos balões. Contudo, seu tamanho é menor que as histórias em quadrinhos, sendo algo para uma leitura rápida. Os tipos de tirinhas de jornais mais populares são a de humor, porém, elas podem ser de qualquer gênero.

A áudio Descrição e suas implicações pedagógicas

Como forma de promover a cooperação dos demais alunos de sala de aula em relação ao aluno cego ou com baixa visão, No papel de professor mediador, passaria para a turma o filme: Eu Não Quero Voltar Sozinho. É possível assisti-lo no youtube. O filme existe em áudio descrição e também sem áudio descrição.

Empresas investem em tecnologia para criar acessibilidade e inclusão de pessoas com deficiência ao universo das artes

Um povo sem cultura não consegue se desenvolver e exercer seu papel de cidadão, criar recursos para lutar por uma sociedade mais justa e igualitária. E um dos segmentos mais alijados do processo cultural brasileiro é o das pessoas com deficiência, que não recebem as mínimas condições de acessibilidade para desfrutar dos prazeres do cinema, da música, de um simples programa de TV, por exemplo. No entanto, há grupos que utilizam tecnologias de ponta para fazer com que essas manifestações cheguem tanto a quem quer consumir cultura quanto a quem deseja produzi-la.