Tributo a Michael Jackson: espetáculo com acessibilidade para surdos e cegos

Em um cantinho ao lado do palco, Rafaella Sessenta, 32, alonga braços e pernas. Posiciona-se frente a uma câmera e aguarda a largada: o início de um show em tributo a Michael Jackson, realizado no domingo (31/5) em São Paulo. Rafaella é tradutora de libras (Língua Brasileira de Sinais) e trabalha em eventos culturais há oito anos. Ela diz que é preciso traduzir ao público surdo as letras e também o ritmo das músicas. Para entrar na cadência do astro do pop, dança junto (até mimetiza as mãos arqueadas de “Thriller”) e imita o tocar de instrumentos que se sobressaem: faz gestos de um bateristas, dedilha uma guitarra. Enquanto isso, a audiodescritora Livia Motta, 62, fica em uma cabine, ao fundo da plateia. Sua função é narrar aos espectadores cegos, munidos de fones de ouvido, o que acontece sobre o palco. No roteiro, conta ela, também faz um histórico sobre as músicas, o artista e a coreografia do espetáculo.

 

<iframe width=”560″ height=”315″ src=”https://www.youtube.com/embed/y1CJgk_dQ0E” frameborder=”0″ allow=”accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture” allowfullscreen></iframe>



Mais sobre audiodescrição