Postagens do assunto: SBTVD

Instituição de pessoas cegas realiza Pesquisa de Recepção da Audiodescrição na Televisão Brasileira

Organização Nacional de Cegos do Brasil realiza Pesquisa Nacional de Recepção da Audiodescrição

A Organização Nacional de Cegos do Brasil – ONCB, no cumprimento de sua função regimental de defesa de direitos e acompanhamento de políticas públicas voltadas ao segmento das pessoas com deficiência visual, tem acompanhado as discussões sobre a implementação do recurso da audiodescrição nas redes sociais e grupos da Internet. Também tem recebido inúmeros contatos de pessoas e instituições afiliadas, relatando dificuldades no acesso à audiodescrição que passou a ser veiculada a partir de 1º de julho de 2011 por algumas emissoras de televisão, conforme previsto na Portaria nº 188/2010 do Ministério das Comunicações.

Audiodescrição no computador: uma alternativa de baixo custo

Desde o dia 1º de julho, temos recebido emails, twets, comentários pelo Facebook de pessoas ansiosas por assistirem os programas que, até o momento, apenas a Rede Globo, o SBT e a MTV estão transmitindo com audiodescrição. Para aqueles que ainda não puderam adquirir um televisor digital, apresentamos aqui uma alternativa: audiodescrição no computador.

Deficientes visuais de Brasília comemoram o início da audiodescrição na TV

Imagine a seguinte situação: em um programa de tevê, uma jovem lança um olhar sedutor e provocativo para um homem, em cena sem diálogos. Essa cena, provavelmente, seria ignorada por um deficiente visual, que apenas consegue acompanhar a programação por meio das falas dos personagens. Para acabar com esse problema, desde a última sexta-feira, os canais de sinal aberto se viram obrigados a oferecer pelo menos duas horas de programação com audiodescrição — recurso que permite a narração da obra audiovisual a quem não enxerga.

Isso, isso, isso! SBT larga na frente exibindo “Chaves” com audiodescrição

“Isso, isso, isso”, o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) exibiu no início da noite de ontem o seriado Chaves, traduzido para o público com deficiência visual por meio da Audiodescrição (AD). Foi a primeira inciativa de uma emissora de televisão brasileira no sentido de atender a Portaria de nº 310 de 2006, do Ministério das Comunicações, modificada pela Portaria 188/2010.

SBT cria vinheta para anunciar programas audiodescritos

o Sistema Brasileiro de Televisão – SBT criou uma vinheta para informar os espectadores sobre a presença da audiodescrição em seus programas. Assista a vinheta e um trecho de um episódio de Chaves com audiodescrição.

Entidade de cegos rebate declarações do presidente da Abert

Ofício ONCB sobre Audiodescrição

Em cerimônia realizada no auditório da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República dia 20 de junho de 2011, a ministra-chefe de direitos humanos Maria do Rosário, o secretário-executivo do Ministério das Comunicações César Alvarez, o Secretário Nacional de Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência Antonio José Ferreira, na presença de representantes de diversas instituições da sociedade civil, além de dezenas de pessoas com deficiência e jornalistas, anunciaram o início inadiável e irrevogável das transmissões de programas de televisão com o recurso de acessibilidade da audiodescrição, conforme previsto na Portaria 188/2010 do Ministério das Comunicações. A ONCB compareceu ao evento representada por Mizael Conrado, bi-campeão paraolímpico de futebol.

AUDIODESCRIÇÃO NA TELEVISÃO BRASILEIRA: ANÚNCIO OFICIAL

O dia 20 de junho de 2011 foi um marco histórico para a acessibilidade comunicacional no Brasil. Finalmente, aconteceu o anúncio oficial do início da audiodescrição na televisão brasileira. A partir de 1º de julho será obrigatória a exibição de pelo menos duas horas de programação com audiodescrição pelas emissoras com sinal digital. Embora a data tenha sido adiada tantas vezes e o número de horas drasticamente reduzido, ainda assim é motivo de comemoração. O início da audiodescrição na televisão abrirá novas possibilidades e sem dúvida nenhuma irá expor o recurso, fazendo com que mais e mais pessoas conheçam e percebam sua relevância para a inclusão cultural, social e escolar da pessoa com deficiência visual.